Câncer infantil e o Poder da Amizade Uma História de Esperança e Resiliência

Quatro jovens amigos, que se conheceram inicialmente no hospital enquanto passavam por tratamento contra o câncer, se reencontram para uma foto em grupo.

Meninas Tutu com Câncer se Reúnem

🌟 Nota do editor: Até 30 de outubro de 2019, Lauren Glynn está de volta à remissão após obter uma terapia bem-sucedida com células CAR T. “Estamos muito agradecidos que a Lauren continue se sentindo bem e estamos muito esperançosos de que essa CAR T seja a sua cura”, diz sua mãe.

23 de setembro de 2019 – Quatro pequenas amigas que se conheceram no hospital enquanto recebiam tratamento contra o câncer estão juntas novamente para o quarto ano de fotos em grupo. E a mensagem em suas camisetas – “Nunca Desista de Jeito Nenhum” – carrega um novo significado emocional.

Foto em Grupo

Chloe, Lauren, McKinley e Ava – agora com 5 a 6 anos – aproveitaram um dia de abraços, risadas e tempo de brincadeira no início deste mês no Hospital Infantil Johns Hopkins All Children em St. Petersburg, Flórida. Foi lá que se conheceram em 2016. Durante o tempo que passaram lá, posaram para uma foto em grupo improvisada usando tutus, e isso se tornou uma tradição anual para elas.

Hoje, Chloe, McKinley e Ava estão em remissão e indo bem, diz um porta-voz do hospital. Mas o câncer de Lauren voltou.

Reunião

Eles vestiam camisetas iguais feitas pela mãe de Ava, camisetas brancas cintilantes com um mantra inspirado nas próprias palavras das meninas: “Nunca Desista de Jeito Nenhum”.

“Eu ouvi todas as meninas começarem a dizer isso por volta do ano passado quando descobrimos que a Lauren teve uma recaída,” diz a mãe de Lauren, Shawna Glynn. Ela e as outras três mães concordaram que a mensagem era perfeita. “As meninas nunca desistiram umas das outras,” diz Glynn.

E a reunião delas neste ano elevou o ânimo de todos, diz ela: “A Lauren estava sentada na cama quando as meninas entraram e ela estava pulando de tão animada em vê-las. Eu queria pausar o tempo e apenas viver naquele momento.”

Momento da Reunião

Em Busca de uma Cura

Lauren, uma criança inteligente e determinada de 6 anos que adora pintar, tem um dos tipos mais comuns de câncer infantil: leucemia linfoblástica aguda (LLA). É o mesmo tipo que Ava e McKinley tiveram. Afeta o sangue e a medula óssea, e geralmente se manifesta entre os 2 e 4 anos. Pode causar sintomas como dor óssea e articular, fraqueza e perda de peso inexplicada. Geralmente é tratado com quimioterapia e pode ser curado. Mas para 15% a 20% das crianças que recebem tratamento para LLA, o câncer retorna.

Transplante de Medula Óssea

Depois que o câncer de Lauren retornou, ela fez um transplante de medula óssea e mais quimioterapia no início deste ano. Ela também recebeu um tipo de tratamento imunoterápico que sua família espera que coloque sua doença de volta em remissão: terapia com células CAR T. Os médicos retiram um tipo de glóbulo branco, chamado células T, do seu sangue e as modificam em laboratório, tornando-as mais precisas na busca e ataque às células cancerígenas. Uma vez que os médicos colocam essas células potencializadas de volta em seu sangue, elas podem se ligar às células cancerígenas e destruí-las.

Lauren tem se sentido “realmente bem” desde que recebeu a terapia, diz Glynn. Com seu tratamento concluído, ela continuará a receber cuidados de acompanhamento regular e check-ups no ambulatório do All Children.

“Ela abriu seu próprio caminho, e esperamos, depois de tudo pelo qual passou nos últimos 3 anos e meio, que essa CAR T seja a sua cura,” diz sua mãe.

O Poder da Amizade

No ano passado, quando Lauren, Chloe, Ava e McKinley estavam todos em remissão, eles vestiram camisetas que diziam “Sobrevivente”.

Camisetas - Sobrevivente

No ano anterior, elas se vestiram com tutus dourados e usaram camisetas que diziam “Corajoso”, “Forte”, “Destemido” ou “Guerreiro”.

Foto em Grupo

E enquanto todas estavam passando por tratamento em 2016, elas vestiram camisetas que diziam “Direto da Quimioterapia”.

Foto em Grupo

Naquela época, as amizades que seus pais formaram também foram inestimáveis.

“Fui muito sortuda por ter conhecido esse incrível grupo de mães no início do diagnóstico da leucemia de Lauren”, diz Glynn. “Eu acho que o seu instinto é se fechar para o mundo porque você pensa que ninguém poderia entender o que você está passando. Mas se você iniciar uma conversa com outro pai no andar de oncologia, rapidamente perceberá que não está sozinho.”

“Rapidamente criamos laços no andar do hospital e na clínica”, diz a mãe de Chloe, Jacquelyn Grimes. “Nos conectamos com outros pais e nos tornamos um grupo de apoio um para o outro. Compartilhamos histórias, tratamentos, questões e ideias.”

“É um caminho muito mais fácil quando você tem esse apoio”, diz Glynn.

A diretora médica sênior de pediatria da 3Health, Hansa Bhargava, MD, concorda. “Encontrar uma comunidade é tão importante para ajudar as crianças a melhorarem”, diz ela. “Essas amizades realmente fazem a diferença na cicatrização emocional e na recuperação de doenças graves.”

Amizade

P&R

P: O que é a terapia com células CAR T?

R: A terapia com células CAR T é um tipo de imunoterapia que mostrou resultados promissores no tratamento de certos tipos de câncer. Envolve modificar as células T do próprio paciente em laboratório para torná-las mais eficazes no direcionamento e eliminação de células cancerosas.

P: Quais são os sintomas comuns da leucemia linfoblástica aguda (LLA)?

R: A leucemia linfoblástica aguda (LLA) pode causar sintomas como dor nos ossos e articulações, fraqueza, perda de peso inexplicada e fadiga. É importante consultar um profissional de saúde se você ou seu filho apresentarem esses sintomas.

P: A quimioterapia é a única opção de tratamento para o câncer infantil?

R: A quimioterapia é uma das principais opções de tratamento para o câncer infantil, incluindo a leucemia linfoblástica aguda (LLA). No entanto, existem outras modalidades de tratamento, como imunoterapia e terapia direcionada, que estão sendo cada vez mais utilizadas para melhorar os resultados para crianças com câncer.

P: Quão comum é o retorno do câncer infantil após o tratamento?

R: Infelizmente, cerca de 15% a 20% das crianças que recebem tratamento para leucemia linfoblástica aguda (LLA) podem ter um recorrência do câncer. Pesquisas em andamento visam compreender melhor os fatores que contribuem para a recaída e desenvolver estratégias de tratamento mais eficazes.


Essas histórias incríveis de resiliência e amizade nos lembram do poder do apoio e da esperança diante de circunstâncias desafiadoras. O vínculo formado entre essas quatro meninas e suas famílias não apenas proporciona cicatrização emocional, mas também serve como fonte de força durante os altos e baixos do tratamento do câncer.

Para saber mais sobre o câncer infantil, as últimas opções de tratamento e as pesquisas em andamento, confira os recursos a seguir:

  1. Terapia com Células CAR T: Uma Inovação no Tratamento do Câncer
  2. Tipos de Câncer Infantil: Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA)
  3. Imunoterapia para o Câncer Infantil
  4. Apoio a Crianças com Câncer: A Importância do Bem-Estar Emocional
  5. Organização Americana de Câncer Infantil

Lembre-se, seu apoio e entendimento podem fazer uma diferença significativa na vida daqueles que estão passando por momentos difíceis. Se você conhece alguém afetado pelo câncer infantil, estenda a mão, ouça e ofereça uma ajuda. Juntos, podemos criar um mundo de cura, esperança e amizade.


👋 Ei, leitores incríveis! Se essa história emocionante tocou seu coração, não se esqueça de compartilhá-la com seus amigos nas redes sociais. Vamos espalhar a mensagem de resiliência e amizade para inspirar os outros. 💖