Avanços no Tratamento da Artrite Psoriásica

Novidades no Tratamento da Artrite Psoriásica

Por Jasvinder Singh, MD, como contado a Sonya Collins

O que me atrai para a pesquisa sobre artrite psoriásica e outras doenças reumáticas é que as descobertas que fazemos podem melhorar a função e a qualidade de vida das pessoas. Isso pode lhes dar a oportunidade de aproveitar a vida plenamente novamente, passar tempo com seus entes queridos e fazer outras coisas que lhes tragam prazer.

Sou professor de medicina e epidemiologia na Universidade de Alabama em Birmingham, médico no Birmingham Veterans Affairs Medical Center e co-autor das diretrizes para o tratamento da artrite psoriásica.

Uma Revolução nas Opções de Tratamento

A artrite psoriásica está quase passando por uma revolução em termos de tratamentos disponíveis.

Grande parte da pesquisa atual está focada em terapias direcionadas. É para onde o campo está indo. Nos últimos 5 a 10 anos, passamos de medicamentos tradicionais modificadores da doença para tratamentos muito específicos que visam os drivers específicos da artrite psoriásica.

Temos medicamentos que existem há muito tempo que podem inibir muitas células ativas na artrite psoriásica. Também temos esses novos medicamentos direcionados que impedem apenas uma dessas moléculas, em vez de todas.

A vantagem dos medicamentos mais antigos é que temos experiência com eles e muitos dados de longo prazo sobre sua segurança. A vantagem das novas terapias, por outro lado, é que elas são mais eficazes ao longo do tempo.

No futuro, é possível que descubramos que os efeitos colaterais dos medicamentos direcionados sejam mais previsíveis do que os dos medicamentos mais antigos. Seus efeitos colaterais também podem ser mais toleráveis para as pessoas.

A maioria dos medicamentos direcionados é administrada por injeção logo abaixo da pele. Alguns dos efeitos colaterais mais comuns de medicamentos, não apenas para artrite psoriásica, mas de forma geral, são dores de cabeça e problemas gastrointestinais como náuseas. Como os medicamentos direcionados não passam pelo sistema digestivo, os efeitos colaterais podem ser mais leves.

A abordagem mais direcionada pode perturbar um pouco menos o equilíbrio do corpo do que aqueles outros medicamentos fazem. Mas ainda não sabemos com certeza.

Vários medicamentos direcionados já foram aprovados e estão disponíveis para uso pelos pacientes. Isso realmente expandiu o horizonte dos médicos e de seus pacientes para escolher tratamentos que possam controlar melhor a doença.

Prever a Resposta ao Tratamento

Outra descoberta importante que surgiu nos últimos 10 anos é que certos fatores afetam se os medicamentos funcionam ou falham. Muitos estudos sofisticados mostraram que tanto fumar como a obesidade reduzem a eficácia desses medicamentos e quanto tempo seus efeitos duram.

Portanto, há coisas que os pacientes podem fazer por conta própria, juntamente com seus medicamentos, para gerenciar melhor a doença.

Mas ainda é difícil prever quem vai responder a qual medicamento.

A artrite psoriásica não é um único tipo de doença. Por muito tempo, a descrevemos como cinco tipos diferentes. Além disso, pode haver diferentes drivers da doença em jogo em qualquer paciente. Não temos testes específicos para ver quais são esses drivers e qual medicamento funcionaria melhor. Por ora, escolhemos os medicamentos com base nos benefícios e riscos potenciais e no que o paciente prefere.

Mais importante, ao longo da vida de um paciente, esses drivers da doença podem mudar. É possível que alguns deles estejam ativos e que possamos suprimi-los por um tempo com os medicamentos disponíveis. Depois, o paciente envelhece, desenvolve outras doenças e algo mais começa a impulsionar a doença.

Portanto, é difícil prever quem vai responder a qual medicamento. Essa resposta também pode mudar ao longo do tempo. Mas quanto mais usarmos esses medicamentos mais novos, mais aprenderemos sobre eles.

Uma Caixa de Ferramentas Bem Abastecida

Se a resposta de alguém a um medicamento muda, nós os trocamos por outro medicamento, se for possível. É por isso que queremos ter muitas opções de medicamentos em nossa caixa de ferramentas. Essa é uma condição para a vida toda, e queremos ter opções disponíveis quando precisarmos delas. E acho que estamos em um ótimo momento para isso agora.

Dito isso, fico feliz em ver um interesse forte e contínuo de empresas farmacêuticas no desenvolvimento de novos produtos e terapias direcionadas adicionais, não apenas para artrite psoriásica, mas para muitas doenças autoimunes.

Isso só é possível com ensaios clínicos. Sempre incentivo os pacientes a considerarem participar deles. É assim que aprendemos e descobrimos novas terapias. Existe a possibilidade – se o medicamento do ensaio for seguro e eficaz – de que ele beneficie os próprios pacientes no ensaio.

Não podemos prometer isso. Mas o benefício para outros pacientes no futuro, se o medicamento for desenvolvido e aprovado, é imenso. Porque então, o medicamento estará disponível para todos.