Tomando Ozempic, Wegovy? Pare antes da cirurgia, dizem os anestesiologistas

Os anestesiologistas recomendam parar de tomar Ozempic e Wegovy antes da cirurgia.

O medicamento para perda de peso Ozempic pode ser perigoso para um paciente submetido a anestesia para uma operação, de acordo com um novo aviso da Sociedade Americana de Anestesiologistas.

Semaglutida (Ozempic, Wegovy) e outros medicamentos de sua classe conhecidos como agonistas do receptor GLP-1 retardam a digestão, o que diminui a fome e reduz a quantidade de comida que as pessoas consomem.

Essa comida deixada no estômago aumenta o risco de vômito durante a anestesia, disse o presidente da ASA, Dr. Michael Champeau.

“Tivemos relatos de pessoas vomitando imediatamente antes da operação, quando não deveria haver comida em seus estômagos”, disse Champeau. “Assim que começamos a ouvir relatos anedóticos e relatos de casos, imediatamente pensamos em como o medicamento funciona e o que ele faz”.

A ASA recomenda que pessoas em uso de agonistas do GLP-1, como o Ozempic, interrompam o uso antes da cirurgia.

Se você toma um desses medicamentos uma vez ao dia, não deve tomar a dose diária na manhã da cirurgia, disse Champeau.

Se você toma o medicamento uma vez por semana, deve adiar a dose até após a cirurgia.

“Se você toma todo domingo e vai fazer uma cirurgia na quarta-feira, não pode tomá-lo no domingo anterior à cirurgia”, disse Champeau. “Você precisa interrompê-lo pelo menos uma semana antes, se estiver tomando a dose semanal”.

Há uma razão pela qual os pacientes são informados para não comer na noite anterior à cirurgia, e é a mesma razão pela qual eles precisam adiar o uso do Ozempic.

“Quando a anestesia foi descoberta pela primeira vez na década de 1840, ninguém sabia disso e isso acontecia muito. Você colocava alguém para dormir com éter e eles vomitavam e aspiravam para os pulmões, o que causava uma pneumonia terrível ou a morte”, disse Champeau. “E assim ficou claro desde muito cedo para nós que essa é uma complicação importante da anestesia e precisamos encontrar maneiras de reduzir a probabilidade disso da melhor forma possível”.

É por isso que os anestesiologistas são tão rigorosos em relação ao tempo que os pacientes precisam ficar em jejum antes da cirurgia.

“Irritamos as pessoas o tempo todo. Irritamos os pacientes e irritamos os cirurgiões quando um paciente não segue as orientações que lhes são dadas e come um sanduíche ou torrada ou ovo ou qualquer coisa na manhã da cirurgia e depois aparece”, disse Champeau. “Basicamente, não faremos a cirurgia nesse ponto e faremos as pessoas esperarem o tempo prescrito”.

Os agonistas do GLP-1, como o Ozempic, foram originalmente desenvolvidos para tratar pessoas com diabetes. Eles imitam um hormônio chamado GLP-1, que estimula o pâncreas a produzir mais insulina após as refeições, de acordo com a Johns Hopkins Medicine.

Mas eles também mantêm a comida no estômago por mais tempo, fazendo com que os pacientes se sintam satisfeitos mais rapidamente ao comer e suprimindo o apetite – os motivos pelos quais o Ozempic se tornou conhecido por auxiliar na perda de peso.

Outros agonistas do GLP-1 incluem dulaglutida (Trulicity), exenatida (Byetta), liraglutida (Victoza) e lixisenatida (Adlyxin), de acordo com a Johns Hopkins.

Os pacientes podem retomar o uso do agonista do GLP-1 no dia seguinte à cirurgia, disse Champeau.

Aqueles que tomam os medicamentos para controlar o diabetes podem precisar mudar temporariamente para outro medicamento, acrescentou ele.

“Eles precisarão consultar o médico responsável pelo tratamento do diabetes, pois precisarão mudar para outra terapia antidiabética para manter o diabetes sob controle durante os dias em que não estão tomando o Ozempic”, disse Champeau.

FONTES: Michael Champeau, MD, presidente da Sociedade Americana de Anestesiologistas; Sociedade Americana de Anestesiologistas, comunicado à imprensa, 29 de junho de 2023

APRESENTAÇÃO DE SLIDES