Kombucha pode ajudar a controlar o açúcar no sangue em casos de diabetes tipo 2

Kombucha auxilia no controle do açúcar no sangue em diabetes tipo 2.

Compartilhar no Pinterest
O popular chá fermentado kombucha pode ajudar no controle do diabetes tipo 2? Crédito da imagem: Emily Jean Thomas/Stocksy.
  • O kombucha é um chá fermentado que possui benefícios como melhorar a saúde intestinal.
  • Pesquisadores tinham curiosidade para saber se a bebida probiótica poderia ajudar a diminuir o açúcar no sangue e realizaram um estudo com pessoas com diabetes tipo 2.
  • Os cientistas dividiram duas grupos de pessoas com diabetes tipo 2, dando a um grupo kombucha e ao outro grupo uma bebida placebo com sabor similar, por 4 semanas, e depois testaram seus níveis de açúcar no sangue. Após uma pausa, eles trocaram os grupos e testaram os participantes por mais 4 semanas.
  • Os resultados mostraram que o consumo de kombucha por 4 semanas diminuiu significativamente os níveis de glicose no sangue em jejum em comparação com o valor inicial, enquanto o placebo não teve o mesmo efeito.
  • De acordo com os pesquisadores, este é o primeiro estudo que testa o kombucha em pessoas com diabetes tipo 2.

O diabetes tipo 2 é uma condição na qual o corpo tem dificuldade em produzir ou gerenciar a insulina de forma eficaz. Milhões de pessoas nos Estados Unidos têm diabetes e, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), essa condição é a oitava causa de morte no país.

À medida que os índices de diabetes tipo 2 aumentam, os cientistas estão interessados em encontrar diferentes métodos para diminuir o açúcar no sangue, incluindo escolhas alimentares.

Pesquisadores da Escola de Saúde da Universidade de Georgetown, em Washington D.C., queriam saber se o kombucha, um chá originário da China e fermentado com bactérias e leveduras, poderia melhorar os níveis de açúcar no sangue.

Após comparar as médias de açúcar no sangue entre as pessoas que consumiram kombucha e aquelas que receberam o placebo, eles descobriram que apenas 4 semanas de consumo de kombucha reduziram em média os níveis de açúcar no sangue em jejum antes das refeições de 164 para 116 miligramas por decilitro (mg/dL).

Para comparação, a Associação Americana de Diabetes afirma que o nível normal de glicose em jejum antes das refeições é de 80 a 130 mg/dL.

O estudo foi publicado na revista Frontiers in Nutrition.

Monitoramento da glicose em jejum

Os pesquisadores recrutaram participantes da Clínica de Medicina Interna Geral do Hospital Universitário MedStar Georgetown, uma instituição que, segundo os autores, tem “um forte interesse no cuidado com o diabetes”.

Eles selecionaram 12 participantes para o estudo, todos com diabetes tipo 2. Eles concordaram em consumir sua bebida designada diariamente e se comprometeram a testar sua glicose em jejum em casa em diferentes períodos.

Além disso, os pesquisadores instruíram os participantes a seguir suas dietas habituais. Eles não queriam que as mudanças alimentares influenciassem possíveis diminuições no açúcar no sangue.

Após dividir os participantes em dois grupos, os pesquisadores forneceram a cada participante uma bebida de 240 ml que eles deveriam consumir diariamente com o jantar por um período de 4 semanas. Algumas pessoas receberam kombucha e outras receberam uma bebida placebo que, segundo os autores, tinha um sabor similar ao do kombucha.

Na próxima etapa do estudo, os pesquisadores inverteram quem recebeu o kombucha. Para considerar quaisquer efeitos residuais do kombucha, os cientistas fizeram com que os participantes esperassem 8 semanas antes de reiniciar o regime de consumo.

Após o período de “pausa de 8 semanas”, os participantes novamente passaram por 4 semanas consumindo sua bebida designada. As pessoas que consumiram kombucha na primeira rodada do estudo passaram a consumir a bebida placebo, enquanto as outras passaram a consumir o kombucha.

A partir daí, os pesquisadores analisaram os dados fornecidos pelos participantes sobre sua glicose em jejum, que foi medida nos seguintes intervalos:

  • valor inicial antes de iniciar o regime de consumo
  • no final da primeira semana
  • no final da quarta semana
  • após o período de pausa
  • no final da primeira semana da segunda rodada
  • no final da quarta semana da segunda rodada.

Pessoas que consumiram kombucha tiveram níveis mais baixos de açúcar no sangue

Os cientistas calcularam a média dos dados iniciais dos participantes e, em seguida, dos dados de cada rodada de consumo de kombucha e placebo para verificar se o kombucha melhorou os níveis de glicose.

O nível médio de glicose inicial dos participantes foi de 164 mg/dL e, após 4 semanas de consumo de kombucha, a média diminuiu para 116 mg/dL. Isso representa uma diminuição de quase 30% para o grupo que consumiu kombucha.

Em comparação, houve pouca mudança nos níveis basais de glicose no sangue dos participantes após beberem a bebida placebo.

“O placebo não foi associado a uma mudança estatisticamente significativa nos níveis médios de glicose no sangue em jejum”, escrevem os autores.

Os pesquisadores observaram que o tamanho da amostra pequeno é uma limitação do estudo e disseram que é necessário um estudo maior.

“Fomos capazes de fornecer evidências preliminares de que uma bebida comum poderia ter um efeito sobre o diabetes”, disse o autor principal do estudo, Dr. Chagai Mendelson, em um comunicado de imprensa.

“Esperamos que um estudo muito maior, utilizando as lições que aprendemos neste estudo, possa ser realizado para fornecer uma resposta mais definitiva sobre a eficácia do kombucha na redução dos níveis de glicose no sangue e, portanto, prevenir ou ajudar a tratar o diabetes tipo 2”, acrescentou.

O Dr. Mendelson está concluindo um programa de residência no MedStar Georgetown University Hospital Medical School.

Especialistas comentam sobre os benefícios do kombucha

Alyssa Wilson, uma nutricionista registrada e treinadora de saúde metabólica da empresa Signos, sediada na Califórnia, conversou com o Medical News Today sobre as descobertas do estudo.

“Existem alguns dados promissores sobre por que o kombucha pode ser implementado em um plano de cuidados nutricionais”, comentou Wilson.

Ela disse que o kombucha é uma “ótima opção” para pessoas que procuram um substituto saudável para bebidas açucaradas e também pode “reduzir a fome e evitar desejos por açúcar”.

Embora Wilson considere o estudo promissor, ela observou que mais pesquisas são necessárias para apoiar as descobertas.

“Mais pesquisas são necessárias em um estudo de acompanhamento maior para determinar a eficácia do kombucha na redução dos níveis de glicose no sangue, mas as descobertas são promissoras e empolgantes para essa população de pacientes”, ela nos disse.

A Dra. Florence Comite, endocrinologista e fundadora do Comite Center for Precision Medicine and Health em Nova York, também conversou com a MNT sobre o estudo.

A Dra. Comite observou que mais estudos estão mostrando que doenças como o diabetes tipo 2 e a composição do microbioma intestinal, que é influenciado por probióticos como o kombucha, podem estar conectados.

“O microbioma parece estar fortemente envolvido no metabolismo, inflamação e resposta imunológica. Melhorar a proporção de bactérias benéficas para bactérias prejudiciais no intestino terá um impacto no controle da glicose.”

– Dra. Florence Comite

Ela também gostaria de ver essa área estudada mais a fundo e disse: “Uma relação causal entre o kombucha e a melhoria da glicose no sangue precisa de mais estudos. Não está claro se um microbioma não saudável desempenha um papel causando diabetes ou se o diabetes altera o intestino”.