Lidar com o lado emocional do tratamento do câncer de pulmão inoperável me pegou de surpresa.

Descubra como uma mulher lidou com os desafios emocionais do câncer de pulmão inoperável em sua jornada de vida.

Cuide das suas emoções durante o tratamento do câncer! 🎢

Por Natalie Brown, conforme relatado a Kendall Morgan

Quando a vida nos traz um golpe surpresa, como um diagnóstico de câncer de pulmão estágio IV aos jovens 33 anos, temos que tomar decisões difíceis às pressas. No meu caso, uma preocupação imediata era se deveria ou não congelar meus óvulos antes de iniciar o tratamento. Meu marido e eu optamos por mergulhar de cabeça no tratamento, mas eu não tinha ideia do emocionante e instável percurso que me aguardava. 🎢

Contrariamente ao que eu esperava, minha experiência com o tratamento não tem sido apenas um desastre. Surpreendentemente, está indo bem para um câncer de estágio IV. No entanto, emocionalmente falando, é como andar em uma montanha-russa selvagem que muda a cada vez. Em alguns dias, eu passo pelo tratamento com facilidade, pensando: “Ah, é apenas mais uma sessão de quimioterapia”. Em outros dias, a dura realidade cai sobre mim como uma tonelada de tijolos: “Não posso acreditar que tenho câncer de pulmão. Estou colocando veneno no meu corpo!”

Viver com câncer significa adaptar sua vida ao tratamento. Eu aproveito ao máximo o tempo antes de sentir os efeitos colaterais como um trem de carga. Trabalhar enquanto faço o tratamento não é tarefa fácil. Veja bem, quando faço o tratamento em uma segunda-feira, sou um furacão de atividade antes que a substância faça efeito. Porém, até quarta ou quinta-feira, estou tão exausta que mal consigo subir uma escada. É frustrante, para dizer o mínimo.

E vamos falar sobre emoções – ufa, elas estão por toda parte! Imagine uma montanha-russa imprevisível, com curvas, giros e quedas repentinas. É assim que se sente passar pelo tratamento a cada 3 semanas. Eu sei que ficarei triste por uma semana, então me apresso, limpando, cozinhando freneticamente ou pedindo comida pronta, porque não terei energia para fazer depois. A ansiedade de deixar tudo perfeito antes do tratamento é avassaladora. E quando não consigo realizar tudo, a frustração se instala.

Mas às vezes, a vida me atinge como uma tonelada de tijolos, e eu me fecho completamente. Duas sessões atrás, tive um colapso emocional. Chorei e chorei porque estava tão fatigada que não conseguia acreditar que tinha que lidar com isso. Passei uma semana inteira chorando, evitando as redes sociais e o contato humano. Acontece de vez em quando. O cansaço implacável pesa, não importa quanto descanso eu tenha.

Encontrar apoio tem sido crucial para navegar pelo labirinto de emoções durante essa jornada. Eu entrei em um programa de mentoria e busquei consolo online. Até comecei a fazer terapia, algo que nunca havia considerado antes. Inicialmente, pensei que poderia lidar com tudo sozinha, mas percebi que a ajuda profissional era necessária. A terapia tem sido um salva-vidas para mim.

Nesse momento desafiador, amigos me presentearam com livros, mas eu tive dificuldade em me concentrar na leitura. Então, recorri aos podcasts, e eles se mostraram mais acessíveis e úteis. Música, especialmente melodias relaxantes, se tornou minha escolha durante as semanas de tratamento. E descobri a alegria de tomar um banho de banheira quente com velas acesas – uma nova forma de relaxamento que eu nunca tinha explorado antes.

O câncer é uma experiência que leva tempo para processar. Demorei um pouco para reunir forças para compartilhar minha história abertamente. Conscientizar, especialmente sobre câncer de pulmão, tornou-se incrivelmente importante para mim.

Mas, em meio às dificuldades, encontro motivos para comemorar. Este ano, estarei completando 35 anos, e não é apenas mais um aniversário – é mais um ano para celebrar o fato de que estou aqui, lutando. Celebro não apenas o meu próprio aniversário, mas também os exames que trazem boas notícias. Cada pequena vitória é motivo de felicidade. O câncer me transformou em uma pessoa mais positiva, o que pode parecer loucura considerando as circunstâncias. Mas é verdade – aprecio os pequenos momentos e abraço a positividade.

Portanto, se você se encontrar em uma montanha-russa emocional similar durante o tratamento do câncer, saiba que você não está sozinho. Busque apoio, seja por meio de terapia, comunidades online ou atividades significativas que tragam alegria. E lembre-se, está tudo bem se desligar ocasionalmente e permitir-se sentir o peso de tudo. Dê permissão a si mesmo para se curar e comemore cada pequena vitória ao longo do caminho! 🎉

Momento de Perguntas e Respostas: Suas Dúvidas Respondidas! 🔥

P: Como posso lidar com a fadiga causada pelo tratamento do câncer? R: A fadiga relacionada ao câncer pode ser extremamente desgastante, tanto fisicamente quanto emocionalmente. É essencial ouvir seu corpo e dar a ele o descanso que precisa. Não hesite em pedir ajuda quando as tarefas se tornarem avassaladoras. Exercícios leves, como caminhadas ou ioga, também podem ajudar a aliviar a fadiga.

P: Existem mudanças específicas na dieta que devo fazer durante o tratamento do câncer? R: Uma boa nutrição é crucial durante o tratamento do câncer para apoiar o processo de cura do seu corpo. Concentre-se em consumir uma dieta equilibrada, rica em frutas, legumes, proteínas magras e grãos integrais. Consulte um nutricionista registrado especializado em oncologia para criar um plano de nutrição personalizado.

P: Como posso encontrar um sistema de apoio enquanto passo por tratamento de câncer? R: Construir um sistema de apoio é vital durante este período desafiador. Entre em contato com grupos locais de apoio ao câncer, conecte-se com comunidades online ou considere ingressar em um programa de mentoria específico para o seu tipo de câncer. A Cancer Support Community e a American Cancer Society são excelentes recursos para explorar.

P: A terapia de saúde mental realmente faz diferença durante o tratamento de câncer? R: Com certeza! Procurar terapia não é um sinal de fraqueza, mas um passo poderoso em direção ao bem-estar emocional. Os terapeutas podem fornecer ferramentas valiosas para lidar com a turbulência emocional que acompanha o tratamento de câncer. Eles podem orientá-lo no processo de reconstrução e busca de resiliência.

P: Como lidar com o medo e ansiedade que vêm com o diagnóstico de câncer? R: Medo e ansiedade são comuns diante de um diagnóstico de câncer. Participar de técnicas de relaxamento, como exercícios de respiração profunda e meditação mindfulness, pode ajudar a aliviar a ansiedade. É crucial comunicar seus medos aos entes queridos e buscar apoio profissional quando necessário.

Referências:

  1. “Lidando com a Fadiga Relacionada ao Câncer”. American Cancer Society. Link
  2. “Alimentação Saudável Durante e Após o Tratamento do Câncer”. American Society of Clinical Oncology. Link
  3. “Como Posso Encontrar Apoio para o Tratamento do Câncer?”. Instituto Nacional do Câncer. Link
  4. “O Impacto do Câncer na Saúde Mental”. Fundação LIVESTRONG. Link
  5. “Lidando com Ansiedade e Angústia”. Instituto Nacional do Câncer. Link
  6. “Cancer Support Community”. Link
  7. “American Cancer Society”. Link

📚 Mostrar Fontes: Crédito da Foto: Thinkstock / Getty Images
FONTE: Natalie Brown, Atlanta, GA, foi diagnosticada com adenocarcinoma pulmonar de estágio IV, a forma mais comum de câncer de pulmão não pequenas células, em julho de 2020. Ela trabalha em tempo integral em vendas de software e atua como defensora da conscientização sobre o câncer de pulmão.