🥦 Comer e TDAH A Terra da Textura e Sensibilidade 🧠

Nadine Dirks Discute Sua Experiência com o Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo em Relação ao Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Restringindo a alimentação evitativa e TDAH Minha experiência pessoal

colagem de fotos com um retrato do autor

Desde que me lembro, sempre fui avesso a certos alimentos. Odiava a consistência dos tomates, a textura e o cheiro das 🍌bananas, e a forma como o iogurte era muito liso. Eu simplesmente achava que não gostava de certas comidas – assim como minha família também via isso.

Eu insistia que meus sanduíches fossem feitos sem manteiga porque não gostava da sensação na língua depois de comê-la. Eu detestava tocar em carne crua, especialmente frango, porque o cheiro me incomodava muito e a textura parecia quase viscosa.

Gelatina, carnes processadas e qualquer coisa com vários componentes, como trifle, faziam minha pele arrepiar. Era uma sobrecarga sensorial e eu não conseguia processar. Alguns dias eu ficava frustrado comigo mesmo porque de repente ficava sobrecarregado até mesmo por alimentos que eu gostava, como abacate, ovos ou queijo.

Não conseguia entender por que era tão difícil simplesmente comer algo. A sensação de sobrecarga era tão grave que eu inconscientemente evitava comer após uma reação a um determinado alimento.

Fui diagnosticado com TDAH aos 20 e poucos anos e at̩ enṭo, ṇo sabia que era neurodiverso. De repente, tudo fez sentido Рdificuldades na escola, ser muito tagarela, dificuldade de concentra̤̣o e foco, pensamentos excessivos e ansiedade, tantos aspectos da minha vida faziam sentido.

Não fazia ideia de como o TDAH havia impactado minha vida e afetado minhas experiências diárias. Foi um alívio finalmente ter uma resposta para tantas coisas que vivenciei e ao mesmo tempo extremamente frustrante e doloroso porque me sentia ressentido pelas dificuldades que enfrentei.

“A textura, o cheiro, a consistência ou a aparência de um prato podem me deixar incomodado” 😱

Minha terapeuta e eu discutimos meus problemas com sobrecarga sensorial, que se manifestavam de várias maneiras – sensibilidade à luz, sons altos, espaços lotados e até mesmo texturas das minhas roupas e cobertores.

Percebi que meus problemas com texturas, cheiros e consistências relacionadas à comida poderiam absolutamente ser devido ao TDAH. Decidi pesquisar na internet e descobri sobre o transtorno alimentar evitativo-restritivo (ARFID), um transtorno alimentar associado a pessoas com TDAH e autismo.

A pesquisa indicava que era semelhante à anorexia, mas com uma diferença importante – pessoas com ARFID não têm interesse no peso corporal, tamanho, formato ou imagem corporal, o que é comumente visto em pessoas que lidam com anorexia.

Não fazia ideia de que o TDAH poderia desempenhar algum papel nos problemas que enfrentei com alimentação durante toda a minha vida. Não conseguia realmente entender isso ou encontrar uma abundância de recursos para leigos sobre a conexão entre TDAH e alimentação desordenada.

Algumas pesquisas parecem indicar que problemas sensoriais podem ser um fator importante no ARFID. Isso está muito alinhado com minhas experiências: não tenho desejo de perder peso, nem tenho interesse na minha imagem corporal, mas tendo a restringir minha alimentação e perder peso de qualquer maneira devido a uma reação severa aos alimentos que gera uma grande ansiedade em relação à alimentação.

Tendo a me preocupar e ficar ansioso muito tempo antes das refeições, ao ir a restaurantes novos, ou ao visitar a casa de alguém para uma refeição.

Preocupo-me que a textura, o cheiro, a consistência ou até mesmo a aparência de um prato possam me deixar tão incomodado a ponto de não comer por horas a fio.

“É tão raro ouvir sobre isso”

Minha terapeuta e eu discutimos a questão em detalhes e, felizmente, como uma mulher neurodivergente ela mesma, ela realmente entende e consegue falar e se relacionar comigo de uma forma reconfortante. Sua recomendação de trabalhar com um terapeuta ocupacional para lidar com a sensibilidade tem sido útil.

O ARFID é excepcionalmente difícil de lidar, pois ele muda completamente sua vida e dificulta a socialização sem ficar hiperfocado no olhar dos outros. Em termos gerais, as pessoas não têm ideia sobre o ARFID, então pode parecer que alguém está apenas sendo difícil ou uma pessoa de paladar exigente, o que não é a realidade.

Eu gostaria de poder terminar uma refei̤̣o sem desistir porque o cheiro era avassalador Рṇo ̩ ṭo simples navegar por isso.

É uma parte do TDAH que é incrivelmente difícil de navegar e é difícil explicar para as pessoas. Não é algo que falamos frequentemente quando falamos sobre TDAH.

É tão raro ouvir falar de ARFID que o público em geral fica confuso quando tento explicar meus hábitos alimentares e sua ligação com o TDAH.

Não é visto como um dos principais sintomas a serem observados, e, em minha experiência, foi necessário que várias pessoas comentassem sobre minha perda de peso e a minha própria percepção de que eu evito vários alimentos e muitas vezes pulo refeições porque fico sobrecarregada com a sobrecarga sensorial para que eu me torne consciente disso.

Depois de uma batalha significativa tentando me forçar a comer e acabando sobrecarregada e fisicamente indisposta, decidi procurar especialistas para discutir a experiência que vinha tendo.

Meus problemas com alimentação e sensibilidade em relação a coisas específicas pareciam ser ampliados quando eu estava sobrecarregada, em geral. Parecia agravar os sintomas.

Uma das maneiras pelas quais tenho conseguido lidar com minha situação tem sido consultando especialistas, preparando refeições antecipadamente para evitar me sentir sobrecarregada e trabalhando com um terapeuta ocupacional para lidar com meus problemas sensoriais.

Falar sobre TDAH e Alimentação Restritiva ‘Pode Ser Salva-Vidas’ 💬

A neurodivergência é um problema complicado e multifacetado. Nossas experiências seriam mais fáceis e nossos sintomas seriam tratados mais cedo se fossem abordados de forma holística, não apenas como questões relacionadas a atenção e hiperatividade.

Isso não faria com que os problemas sensoriais desaparecessem completamente, mas forneceria as ferramentas para melhor gerenciá-los.

Avaliar em quais situações estou razoavelmente confortável e as coisas que me perturbam me permitiu me abrir em um ambiente seguro e trabalhar gradualmente na terapia de exposição.

Precisamos ter conversas sobre o TDAH que sejam amplas e variadas. A condição não é a mesma para todos, e isso ajudaria muitas pessoas se a víssemos de forma holística e tratássemos as várias partes deste transtorno.

Ter conversas sobre o TDAH e comorbidades como a ARFID poderia ser salva-vidas para alguns, poderia fornecer respostas e até encorajar outras pessoas a procurar ajuda profissional para sua alimentação desordenada antes que cause efeitos de longo prazo no corpo.

Na minha opinião, ainda temos um longo caminho a percorrer para ter conversas abertas, sem estigma, sobre esse tipo de sintoma que todos evitam falar. Ninguém quer falar sobre alimentação desordenada, ainda que seja estigmatizada apesar de não ser uma raridade.


🤔 P&R Sobre Alimentação e TDAH

P: Problemas sensoriais com alimentos podem ser um sintoma de TDAH?

R: Sim, problemas sensoriais relacionados a alimentos podem ser um sintoma de TDAH. Indivíduos com TDAH podem ter sensibilidade aumentada a texturas, cheiros, sabores e consistências de alimentos, levando ao transtorno de ingestão alimentar restritiva evitante (ARFID, na sigla em inglês).

P: Qual é a diferença entre ARFID e anorexia?

R: Embora tanto ARFID quanto anorexia sejam transtornos alimentares, a diferença fundamental está na motivação por trás da restrição alimentar. Pessoas com ARFID não têm interesse em peso corporal, tamanho, forma ou imagem corporal, enquanto indivíduos com anorexia frequentemente têm preocupações com esses fatores.

P: Como alguém com TDAH e ARFID pode lidar com os desafios alimentares?

R: Lidar com os desafios alimentares com TDAH e ARFID pode ser difícil, mas buscar ajuda profissional de especialistas, como terapeutas e terapeutas ocupacionais, pode fornecer um suporte valioso. Preparar refeições antecipadamente para evitar situações avassaladoras e trabalhar na terapia de exposição também podem ser estratégias úteis.


📚 Referências

  1. A Ligação entre TDAH e Transtorno de Ingestão Alimentar Restritiva Evitante
  2. Perda de peso e jejum: Pode melhorar o microbioma intestinal para algumas pessoas?
  3. Qual é o melhor momento para se exercitar? Aqui está o que a pesquisa diz

Comer e TDAH, principalmente quando se trata de sensibilidades sensoriais, é um tema que precisa de mais atenção. Ao esclarecer experiências como a minha, podemos aumentar a compreensão e apoio para indivíduos lidando com ARFID. Compartilhe este artigo para espalhar conscientização e iniciar a conversa! 💪💚


Design por Medical News Today; fotografia cortesia de Nadine Dirks.