Testes desnecessários Como os alertas amarelos ajudaram a reduzi-los

O médico estava digitando em seu computador, agendando um exame de próstata de rotina para um senhor de 80 anos, quando um alerta amarelo significativo apareceu no prontuário eletrônico do paciente.

Alertas de Médicos Reduzem Testes Desnecessários no Sistema de Saúde

Imagem

Imagine que você é médico, digitando pacientemente em seu computador, solicitando testes de rotina para seus pacientes idosos. De repente, um chamativo alerta amarelo aparece no prontuário eletrônico do paciente e chama sua atenção. Ele o avisa de que você está prestes a solicitar um teste que nenhuma diretriz recomenda e lembra dos danos potenciais que podem surgir de exames e tratamentos desnecessários. Além disso, lembra também que esse teste desnecessário será explicitamente registrado no prontuário de saúde do paciente. Fala sério, isso é responsabilidade!

Esse alerta chamativo foi parte de um estudo da Northwestern Medicine projetado para determinar se poderia incentivar os médicos a evitar a solicitação de exames desnecessários em adultos mais velhos. E adivinha? Funcionou! De acordo com um relatório recente no Annals of Internal Medicine, o estudo observou uma diminuição significativa de 9% nos testes desnecessários de antígeno prostático específico (PSA) e quase 6% nos testes de urina para infecções do trato urinário em mulheres. 🚫💉

Vamos mergulhar mais fundo nesse estudo esclarecedor e explorar o impacto desses alertas amarelos na redução de testes e tratamentos desnecessários.

O Poder dos Alertas de Pontos de Atendimento

O estudo envolveu 370 médicos em 60 clínicas da Northwestern Medicine. Metade deles recebeu os alertas amarelos, enquanto a outra metade não. Tentativas anteriores de reduzir exames desnecessários por meio de prontuários eletrônicos de saúde não foram tão bem-sucedidas, mas esse estudo parece ter encontrado a fórmula vencedora.

“Acreditamos que incorporar elementos como foco em danos potenciais, compartilhamento de normas sociais e promoção de senso de responsabilidade social e preocupações de reputação levou à eficácia dessas mensagens”, diz o pesquisador líder Dr. Stephen Persell, da Northwestern University Feinberg School of Medicine.

Ao fornecer mensagens convincentes diretamente no momento da solicitação de exames, os prontuários eletrônicos de saúde têm o potencial de melhorar significativamente o atendimento em grandes sistemas de saúde. Esses alertas servem como lembretes para os profissionais de saúde, instigando-os a considerar as evidências e os danos potenciais associados a testes desnecessários.

Questionando a Necessidade de Certos Exames

O estudo concentrou-se em reduzir exames desnecessários para três condições específicas: câncer de próstata em homens com mais de 75 anos, infecções do trato urinário em mulheres assintomáticas com mais de 65 anos e níveis elevados de açúcar no sangue em pacientes com mais de 75 anos. Mas por que esses exames são considerados desnecessários?

Vamos dar uma olhada mais de perto:

Exames de Câncer de Próstata em Homens Mais Velhos

Pesquisas têm mostrado que fazer exames de câncer de próstata em homens acima de 75 anos muitas vezes leva a tratamento que não aumentará suas vidas. Na verdade, eles se sairiam melhor convivendo com um câncer indolente, aquele que não apresenta sintomas ou contribui para a morte. Sujeitá-los aos danos potenciais do tratamento, como cirurgia ou radioterapia, pode causar incontinência urinária, disfunção sexual ou sangramento retal. É importante perceber que o que é adequado para um homem de 68 anos pode não ser adequado para alguém que tenha 75 ou 85 anos de idade.

Infecções do Trato Urinário em Mulheres

Infecções assintomáticas do trato urinário são comuns em mulheres mais velhas. No entanto, não há evidências de que tratá-las com antibióticos melhore a saúde da mulher. Pelo contrário, os antibióticos podem causar reações alérgicas, diarreia e resistência aos antibióticos, tornando infecções bacterianas futuras mais difíceis de tratar. É um equilíbrio delicado entre evitar tratamentos desnecessários e garantir o bem-estar do paciente.

Níveis Elevados de Açúcar no Sangue em Pacientes Idosos

O tratamento agressivo dos níveis de açúcar no sangue para níveis muito baixos em adultos mais velhos usando medicamentos como insulina ou sulfonilureias pode ser perigoso. Isso aumenta o risco de hipoglicemia, uma condição em que os níveis de açúcar no sangue caem demais. Almejar um controle excessivo dos níveis de açúcar no sangue quando é mais seguro ter níveis um pouco menos controlados é um conceito desafiador de comunicar tanto para médicos quanto para pacientes.

Desafios Contínuos e Possibilidades Futuras

O estudo enfrentou algumas dificuldades para conter exames desnecessários de níveis de açúcar no sangue, tanto para médicos quanto para pacientes. Mudar metas e convencer as pessoas a alterar sua abordagem não é tarefa fácil. No entanto, os resultados deste estudo abriram caminho para potenciais aplicações futuras.

Os pesquisadores esperam expandir o uso desses alertas amarelos para lidar com tratamentos excessivos em outras áreas, como prescrições de opioides e remédios para dormir, além de combinações potencialmente perigosas de medicamentos. O objetivo é melhorar continuamente o atendimento ao paciente e otimizar os processos de saúde.

P&R: Endereçando Preocupações Adicionais

Q: Existem outros exames desnecessários que poderiam se beneficiar dessa abordagem?

R: Com certeza! Existem vários outros exames que poderiam ser avaliados usando essa abordagem, como mamografias para mulheres com uma certa idade, exames de câncer colorretal em pacientes mais velhos e exames de sangue de rotina para certas condições. Cada caso requer uma consideração cuidadosa dos possíveis benefícios e danos.

Q: Como os pacientes podem garantir que estão recebendo exames e tratamentos apropriados?

R: Os pacientes devem se envolver ativamente em discussões com seus provedores de saúde. Faça perguntas, expresse preocupações e se informe sobre diretrizes atuais e práticas baseadas em evidências. Lembre-se, um relacionamento saudável médico-paciente é construído com base em comunicação aberta e tomada de decisão compartilhada.

Q: Existem outros métodos alternativos para incentivar exames e tratamentos apropriados?

R: Sim! Além dos alertas de prontuário eletrônico, os sistemas de saúde podem implementar campanhas educacionais que enfatizem a importância de exames e tratamentos baseados em evidências. Além disso, fornecer aos pacientes fácil acesso a informações confiáveis e envolvê-los nos processos de tomada de decisão pode levar a escolhas mais informadas.

Referências

  1. Alertas de ‘Alerta’ do médico ajudaram a reduzir exames desnecessários em um sistema de saúde
  2. Pacientes com câncer podem se beneficiar sem endoscopias invasivas
  3. Estudo de uma década oferece orientações sobre tratamentos para câncer de próstata
  4. Vacina mostra promessa no tratamento de certos cânceres
  5. Nova abordagem de tratamento oferece boas notícias para pacientes com câncer retal
  6. Pré-diabetes, obesidade e o poder dos suplementos de canela para diminuir o açúcar no sangue
  7. Mulheres com câncer de mama inicial podem seguramente pular a radioterapia
  8. Novo antibiótico elimina superbactéria mortal em teste inicial

Agora, armados com esse conhecimento, vamos ser proativos em nossas abordagens de saúde e questionar a necessidade de certos exames e tratamentos. Lembre-se, não se trata de fazer mais; trata-se de fazer o que é verdadeiramente benéfico. Então, compartilhe este artigo com seus amigos, familiares e provedores de saúde, e vamos iniciar um movimento em direção aos cuidados baseados em evidências!

Observação: Este artigo é apenas para fins informativos e não deve ser considerado como aconselhamento médico. Consulte um profissional de saúde qualificado para orientação e recomendações personalizadas.

Este artigo foi informativo? Você considerou as informações úteis? Compartilhe seus pensamentos nos comentários abaixo! E não se esqueça de compartilhar este artigo nas redes sociais para espalhar a palavra sobre os cuidados baseados em evidências.