Dieta pobre em fibras durante a gravidez pode prejudicar o cérebro do bebê

Dieta pobre em fibras prejudica cérebro do bebê na gravidez

Pesquisas japonesas sugerem que uma dieta pobre em fibras durante a gravidez pode retardar o desenvolvimento mental do bebê.

Estudos em animais descobriram que uma dieta pobre em fibras durante a gravidez retarda a função dos nervos cerebrais da prole. O novo estudo, publicado em 27 de julho no periódico Frontiers in Nutrition, mostra o mesmo efeito em humanos.

“A maioria das mulheres grávidas no Japão consome muito menos fibras alimentares do que a quantidade recomendada”, disse o líder do estudo, Kunio Miyake, professor assistente de genética ambiental na Universidade de Yamanashi.

“Nossos resultados forneceram evidências reforçadoras de que a subnutrição durante a gravidez está associada a um maior risco de atraso no neurodesenvolvimento das crianças”, disse Miyake em um comunicado de imprensa do periódico.

No estudo, os pesquisadores compararam o desenvolvimento de crianças cujas mães consumiram mais fibras com o desenvolvimento das mães que consumiram menos fibras. O estudo incluiu 76.000 pares de mãe e filho que faziam parte do Estudo Japonês do Meio Ambiente e das Crianças.

Em comparação com as crianças cujas mães consumiram mais fibras durante a gravidez, aquelas cujas mães consumiram menos eram mais propensas a apresentar atrasos no neurodesenvolvimento. Os atrasos afetaram a comunicação, a resolução de problemas e as habilidades pessoais e sociais.

Os pesquisadores também observaram um desenvolvimento retardado do movimento e da coordenação.

No Japão, a ingestão diária recomendada de fibras alimentares é de 18 gramas; nos Estados Unidos e no Canadá, é de 28 gramas.

“Nossos resultados mostram que a orientação nutricional para as mães grávidas é crucial para reduzir o risco de problemas de saúde futuros para seus filhos”, disse Miyake.

Boas fontes de fibras alimentares incluem nozes e sementes, grãos integrais, frutas e legumes.

Mais informações

Para saber mais sobre fibras alimentares, consulte a Mayo Clinic.

FONTE: Frontiers in Nutrition, comunicado de imprensa, 27 de julho de 2023

PERGUNTA