A Forma Surpreendente de Combater os Sintomas da Asma

Combatendo os Sintomas da Asma de Forma Surpreendente

30 de agosto de 2023 – A asma é um inimigo sorrateiro.

Em um minuto, você está desfrutando de uma caminhada ou um passeio de bicicleta. Você está respirando facilmente, seus sintomas sob controle.

No minuto seguinte, você sente as coisas mudarem. Pode começar com uma tosse. Ou respirações trabalhosas e ofegantes. Ou aperto no peito e nos pulmões. Todos são sinais reveladores de um ataque de asma.

“A asma pode parecer controlada até que alguém faça exercícios”, diz Maureen George, PhD, professora de enfermagem na Universidade de Columbia e porta-voz da Fundação Americana de Asma e Alergia.

Mas isso não significa que o exercício deva ser evitado, ela diz.

O exercício, na verdade, é uma das melhores maneiras de reduzir os sintomas da asma. Pesquisas ao longo das últimas duas décadas mostraram que a atividade física pode ajudar a melhorar a função pulmonar e aumentar a qualidade de vida de alguém com asma.

À medida que sua condição física melhora, os pacientes com asma relatam melhor sono, redução do estresse, controle de peso melhorado e mais dias sem sintomas. Em alguns casos, eles podem reduzir as doses de medicamentos.

O exercício reduz citocinas inflamatórias – pequenas moléculas de proteína que ajudam as células a se comunicarem – e aumenta as citocinas anti-inflamatórias, de acordo com uma revisão de 2023 de pesquisadores do Reino Unido. Isso pode ajudar a acalmar a inflamação crônica das vias aéreas, aliviando os sintomas da asma.

Algumas diretrizes simples podem ajudar você a colher esses benefícios enquanto se mantém seguro.

Garanta que os Primeiros Passos Não sejam os Últimos

Para alguém que está começando a se exercitar, há apenas uma maneira de começar: com cuidado.

A Iniciativa Global para a Asma recomenda exercícios aeróbicos e de fortalecimento muscular duas vezes por semana.

“Você sempre começa devagar”, diz Spencer Nadolsky, DO, especialista em obesidade e lipídios certificado pelo conselho e diretor médico da Sequence, um programa abrangente de controle de peso.

“Devagar” significa cargas leves na sala de musculação. “Devagar” significa caminhadas curtas e fáceis.

Muitos foram submetidos a um treinamento excessivo no início, o que os desencorajou a continuar, segundo Nadolsky. “Eles estavam muito doloridos e parecia mais uma punição.”

Uma preocupação ainda maior é desencadear um ataque de asma. Tome medidas para reduzir o risco. Tenha seu inalador de resgate com você e mantenha-se em dia com seus medicamentos, diz Nadolsky.

“Um profissional de saúde deve ser consultado” antes de começar uma nova atividade ou intensificar um programa, ou sempre que a asma interferir no exercício, diz George.

Se você se exercita ao ar livre, precisa estar ciente da qualidade do ar, especialmente em um momento em que a fumaça e as partículas de um incêndio florestal no Canadá podem desencadear sintomas de asma em pessoas a milhares de quilômetros de distância.

Quanto mais esforço você faz, maior é a “ventilação”, o que significa que você está levando mais ar para os pulmões e potencialmente mais alérgenos e poluentes.

A temperatura e a umidade também se tornam arriscadas nos extremos. O ar frio e seco pode desidratar e contrair as vias aéreas, tornando a respiração difícil.

Como Escolher o Melhor Tipo de Exercício

Passo um: Seja realista. Pessoas com asma geralmente têm menos capacidade de exercício do que aquelas que não têm – compreensível quando a falta de ar é sua configuração padrão.

Em segundo lugar, dê a si mesmo tempo suficiente para aquecer. Uma rotina sólida de aquecimento – especialmente uma com uma mistura de exercícios de menor e maior intensidade – pode ajudar a prevenir a asma induzida por exercício (broncoconstrição), um estreitamento das vias aéreas durante atividades físicas intensas que causa falta de ar e chiado no peito.

Por exemplo, se você aquecer em uma esteira ou bicicleta ergométrica, pode intercalar alguns momentos de corrida ou ciclismo mais rápidos com alguns minutos de recuperação em um ritmo mais lento.

Você também pode expandir esse conceito para um treino completo.

O treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) é uma opção promissora para pessoas com asma. Um estudo de 2021 mostrou que três treinos intervalados de 20 minutos por semana melhoraram significativamente o controle da asma.

“O benefício do HIIT é que a ventilação é capaz de se recuperar intermitentemente”, diz Carley O’Neill, PhD, cientista do exercício na Universidade de Acadia, na Nova Escócia, e autora principal do estudo.

Essa é uma diferença chave em relação ao cardio convencional, onde o esforço constante pode evaporar a água dos pulmões mais rápido do que o corpo consegue repor. “A desidratação das vias aéreas pode, em alguns casos, desencadear asma induzida pelo exercício”, diz O’Neill.

O HIIT, por outro lado, permite que as vias aéreas se recuperem e se reidratem entre os períodos de exercício.

Outro estudo recente descobriu que pessoas com asma que faziam exercícios HIIT tinham menos problemas respiratórios e se sentiam menos fatigadas em comparação com um grupo equivalente que fazia treinamento de cardio em um ritmo constante. (Ambos os tipos de exercício cardio levaram a melhorias semelhantes na aptidão aeróbica.)

Você também pode escolher outros tipos de exercício intermitente – ou parar e começar. O treinamento de força, por exemplo, requer períodos relativamente curtos de esforço, com bastante descanso entre eles.

A Escolha que Você Não Quer Fazer

Embora haja muitas boas opções de exercício para quem tem asma, há uma escolha claramente ruim, de acordo com George: “Evitar exercícios.”

A inatividade física aumenta o risco de obesidade e todos os problemas de saúde associados a ela. E permitir que seu nível de condicionamento físico diminua dificulta muito mais se mover quando você precisa ou quer.

Qualquer escolha é melhor do que essa.