O Alzheimer veio dos hormônios do crescimento dados a crianças obtidos de corpos mortos?

Pesquisadores relatam que cinco em cada oito crianças britânicas que receberam hormônio de crescimento humano de glândulas pituitárias de doadores falecidos desenvolveram a doença de Alzheimer de início precoce muitas décadas depois.

Foi o Alzheimer Transmitido Através do Hormônio de Crescimento Derivado de Cadáveres Dado a Crianças?

Imagem da Notícia: Foi o Alzheimer Transmitido Através do Hormônio de Crescimento Derivado de Cadáveres Dado a Crianças?

Você sabia que cinco em cada oito crianças britânicas que receberam hormônio de crescimento humano de doadores falecidos desenvolveram a doença de Alzheimer em idade precoce muitas décadas depois? Eu sei, parece saído de um filme de ficção científica, mas isso não é ficção – é uma descoberta real feita por pesquisadores da University College London (UCL). 🧠💥

Os pesquisadores acreditam que o hormônio de crescimento que essas crianças receberam na infância pode ter contido placas de proteína amiloide-beta. Agora, você pode estar se perguntando, qual é a grande coisa dessas placas? Bem, elas são conhecidas por se acumularem nos cérebros de pessoas com doença de Alzheimer ao longo do tempo. 😱😱

Então, o que isso significa? Isso sugere que, em circunstâncias muito raras, a doença de Alzheimer pode ser potencialmente transmitida de pessoa para pessoa. Antes de começar a se preocupar com atividades cotidianas e cuidados médicos de rotina, deixe-me assegurar que não há evidências de que a amiloide-beta possa ser transmitida nesses contextos. Ufa! 😅

Agora, vamos aprofundar nessa pesquisa inovadora e explorar o que isso significa para nossa compreensão da doença de Alzheimer. 🕵️‍♀️🔬

A Ligação Entre o Hormônio de Crescimento Derivado de Cadáveres

Entre 1959 e 1985, crianças britânicas com problemas de crescimento às vezes recebiam hormônio de crescimento humano extraído das glândulas pituitárias de cadáveres. 🏥 Era uma prática comum na época, até que se descobriu que esses procedimentos poderiam potencialmente transmitir uma proteína mal dobrada chamada príon, que pode desencadear um distúrbio degenerativo do cérebro conhecido como doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ). 🧫

Se você já ouviu falar em DCJ antes, pode ser porque também é conhecida como “doença da vaca louca” em animais. Autópsias realizadas pela equipe da UCL mostraram que alguns pacientes que morreram de DCJ após receberem o hormônio também apresentavam sinais de acúmulo de amiloide-beta da doença de Alzheimer. 🧟‍♂️

Para investigar ainda mais, os pesquisadores descobriram que o hormônio de crescimento derivado de cadáveres armazenados em laboratórios de fato continha amiloide-beta. Quando injetaram o hormônio em camundongos, esses pequenos roedores desenvolveram um acúmulo patológico de amiloide-beta em seus cérebros. 🐭💉

Mapeando as Histórias de Saúde do Cérebro

Curiosos para ver se os mesmos efeitos seriam observados em humanos, os pesquisadores acompanharam as histórias de saúde cerebral de oito pessoas que receberam o hormônio de cadáveres na infância, mas não desenvolveram DCJ. E os resultados foram surpreendentes.

Cinco dessas oito pessoas desenvolveram a doença de Alzheimer em idade precoce, com sintomas aparecendo entre os 38 e 55 anos. Esses indivíduos experimentaram sintomas de demência graves o suficiente para prejudicar suas vidas diárias, o que não é algo pequeno. 😔

Das três pessoas restantes, uma apresentou sintomas de comprometimento cognitivo leve (um precursor da doença de Alzheimer) aos 42 anos. Outra pessoa exibiu sintomas cognitivos “subjetivos” não definitivos, enquanto a terceira pessoa não apresentou sinais de comprometimento cognitivo. É claro que os efeitos desse hormônio variaram no grupo. 📈📉

Para descartar a possibilidade de uma forma hereditária de doença de Alzheimer de início precoce, foram realizados testes genéticos em cinco dos pacientes. Os resultados mostraram que nenhum deles tinha uma forma hereditária da doença. Essa descoberta sugere que o Alzheimer e algumas outras condições neurológicas podem compartilhar processos semelhantes à DCJ e abre possibilidades empolgantes para pesquisas futuras na compreensão e tratamento da doença de Alzheimer. 🧪🧬

Compreendendo as Implicações

Agora, antes de entrar em pânico e começar a construir seu próprio bunker do fim do mundo, é importante observar que a transmissão de pessoa para pessoa da doença de Alzheimer continua extremamente rara. As circunstâncias em que essas pessoas desenvolveram tragicamente o Alzheimer foram altamente incomuns, envolvendo o uso de hormônio de crescimento derivado de cadáveres. Não há risco de a doença ser transmitida entre indivíduos ou por meio de cuidados médicos de rotina. Ufa, mais uma vez! 😅🙏

No entanto, esta pesquisa fornece insights valiosos sobre os mecanismos das doenças e pode levar a avanços nas estratégias de prevenção precoce. A descoberta da transmissão da patologia do amiloide-beta em situações raras como essa deve incentivar uma revisão das medidas para prevenir a transmissão acidental por meio de procedimentos médicos ou cirúrgicos. É tudo uma questão de permanecer vigilante e garantir que nossos instrumentos médicos sejam adequadamente esterilizados. 🧼🔬

P&R

P: A doença de Alzheimer é contagiosa? Devo me preocupar em pegá-la? R: Não há motivo para pânico! A doença de Alzheimer não é contagiosa. Geralmente surge espontaneamente dentro dos cérebros individuais. Embora este estudo lance luz sobre a possibilidade de transmissão em circunstâncias muito incomuns, não há risco de pegar Alzheimer por meio das interações diárias ou cuidados médicos de rotina.

P: Existem outras causas conhecidas de Alzheimer de início precoce? R: O Alzheimer de início precoce está normalmente associado a fatores genéticos, resultantes de mutações genéticas herdadas. No entanto, este estudo descartou a possibilidade de uma forma hereditária da doença nos indivíduos estudados. Mais pesquisas são necessárias para compreender completamente as causas do Alzheimer de início precoce e como ele difere da forma de início tardio mais comum.

P: Quais são os sinais de alerta da doença de Alzheimer? R: Os sintomas iniciais da doença de Alzheimer frequentemente incluem perda de memória, dificuldade em resolver problemas ou completar tarefas familiares, confusão em relação ao tempo e local, e mudanças de humor ou personalidade. Se você ou um ente querido está apresentando esses sintomas, é importante consultar um profissional de saúde para um diagnóstico adequado e orientação sobre o manejo da condição.

Conclusão

Embora os resultados deste estudo possam parecer alarmantes à primeira vista, é crucial lembrar que a transmissão da doença de Alzheimer continua sendo extremamente rara. No entanto, essa pesquisa abre novas perspectivas para a compreensão da doença e o desenvolvimento de estratégias de prevenção. Como sempre, devemos nos manter informados e continuar apoiando a pesquisa científica que nos ajuda a desvendar os mistérios do cérebro humano. 🧠✨

Mais informações sobre a doença de Alzheimer: Saiba mais sobre a doença de Alzheimer na Associação Alzheimer.


Lista de Referências:


Artigo Relacionado:

Demência, Doença de Alzheimer e Envelhecimento do Cérebro

Demência, Doença de Alzheimer e Envelhecimento do Cérebro

Aprofunde-se no mundo da demência, da doença de Alzheimer e do envelhecimento do cérebro. Saiba mais sobre diferentes tipos de demência, como a demência com corpos de Lewy e demência vascular, e descubra os sinais de alerta do declínio cognitivo. É hora de nos equiparmos com conhecimento e desmistificar essas condições.

Leia mais: Demência, Doença de Alzheimer e Envelhecimento do Cérebro


💬 Queremos ouvir você! O que você pensa sobre este estudo? Você está preocupado com a transmissão de doenças por meio de procedimentos médicos? Compartilhe seus comentários abaixo e vamos iniciar uma conversa. Não se esqueça de compartilhar este artigo com seus amigos nas redes sociais! 📲✨