A pandemia alterou os microbiomas dos bebês?

A pandemia afetou os microbiomas dos bebês?

Bebês cujo primeiro ano de vida ocorreu durante a pandemia parecem ter menos tipos de bactérias no intestino do que bebês nascidos antes da COVID-19 se espalhar pelo planeta, sugere um novo estudo.

Especificamente, esses bebês da pandemia tinham quantidades menores de Pasteurellaceae e Haemophilus — bactérias que podem causar várias infecções — e uma diversidade bacteriana significativamente diferente, disseram os pesquisadores.

As diferenças podem ter sido causadas pelas mudanças sociais da pandemia, com os bebês passando mais tempo em casa e menos tempo na creche interagindo com outras crianças. Além disso, medidas de higiene aumentadas, mudanças na alimentação, práticas de amamentação e aumento do estresse dos cuidadores podem ter desempenhado um papel, especularam os autores.

“A pandemia da COVID-19 fornece um raro experimento natural para nos ajudar a entender melhor como o ambiente social molda o microbioma intestinal do bebê, e este estudo contribui para um campo de pesquisa em crescimento sobre como as mudanças no ambiente social de um bebê podem estar associadas a mudanças no microbioma intestinal”, disse a pesquisadora Sarah Vogel em um comunicado de imprensa da Universidade de Nova York. Ela é uma recente doutora da NYU Steinhardt School of Culture, Education and Human Development no programa de psicologia do desenvolvimento.

Para o estudo, Vogel e seus colegas compararam amostras de fezes de dois grupos de bebês de 12 meses, com diversidade socioeconômica e racial, na cidade de Nova York. Foram analisadas amostras de 34 bebês antes da pandemia e de 20 bebês de março a dezembro de 2020.

“Em adultos, sabemos que uma menor diversidade das espécies de microbiota no intestino está relacionada a uma saúde física e mental piores”, disse a pesquisadora Natalie Brito, professora associada do NYU Steinhardt, no comunicado. “Mas mais pesquisas são necessárias sobre o desenvolvimento do microbioma intestinal durante a infância e como o ambiente de cuidados precoce pode moldar essas conexões.”

O relatório foi publicado em 31 de agosto no periódico Scientific Reports.

Mais informações

Para mais informações sobre a saúde de bebês durante a pandemia, consulte a Universidade Johns Hopkins.

FONTE: Universidade de Nova York, comunicado de imprensa, 31 de agosto de 2023

APRESENTAÇÃO DE SLIDES